Header Ads

Professora é surpreendida com conta de água de R$ 16 mil

Uma conta de água de mais de R$ 16 mil surpreendeu a professora Karinini dos Santos após aumentos sucessivos na tarifa nos últimos meses. Moradora do Bairro José Walter, em Fortaleza, e pagando normalmente entre R$ 40 e R$ 50 por mês, Karinini recebeu em novembro uma fatura de R$ 16.101,48 e, na última sexta-feira (8), teve o fornecimento de água cortado.

"Eu passo o dia todo trabalhando fora. Quando eu chego em casa à noite, eu ainda tenho que resolver comida, lavar louça, lavar roupa, lavar banheiro e não tem água. Eu tenho que ir buscar, descer escada, tenho que atravessar a rua para pegar água em balde, sendo que as minhas contas estão pagas", desabafa a cliente, que quitou todas as cobranças da Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), exceto a de R$ 16 mil.

O valor excede totalmente a renda da família. Ela e o marido, recepcionista de hotel, recebem um salário mínimo cada um e compartilham as despesas da casa e da criação dos três filhos.
Origem do problema

A família nunca teve problemas com as contas de água, segundo Karinini. Mas, no começo deste ano, os moradores do bairro começaram a ficar sem água por vários dias. Após esse episódio, o primeiro susto veio: a tarifa de maio de Karinini passou dos habituais R$ 50 para R$ 636,12.
"Quando houve essa questão (da falta d'água) e o meu papel de água chegou, estava lá uma conta de R$ 636. Então eu fui na Cagece abrir um chamado e disse que não tinha condições da minha conta de água ter vindo daquela forma. Nem o meu prédio todinho dava aquele valor, porque era o consumo de 30 dias", relembra.

Em resposta, a atendente da empresa comunicou que aquele era realmente o consumo do mês da cliente e que iria pedir para que um técnico da área realizasse a vistoria. No entanto, nenhuma visita foi realizada. Em julho, com o receio de ficar sem água, o esposo de Karinini solicitou outra vistoria, mas a Cagece alegou que eles tinham ido à residência e que não havia ninguém em casa.

"Eu passo o dia trabalhando, mas meu esposo e filhos passam o dia em casa, pois ele trabalha à noite", ressalta a professora, desdizendo a Companhia. Em agosto, mais uma tentativa foi feita, desta vez a professora foi à empresa e descobriu que havia tido uma troca de hidrômetro, mas ela não foi informada. "Então eu pensei: nessa troca eles devem ter colocado o meu registro errado", suspeitou.
Corte e falta de resolução

Nos meses seguintes, as tarifas vieram nos valores normais, até que na última sexta-feira, por volta das 11 horas, o serviço de água foi cortado da residência de Karinini. Só após esse episódio, ela recebeu uma vistoria técnica da empresa, mas nada foi feito pois a água havia sido cortada. Na segunda-feira (11), o marido dela foi novamente à Cagece, mas não obteve atendimento devido ao grande fluxo de pessoas.

"Neste mesmo dia, fui verificar o aplicativo para ver as contas e lá estava a tarifa de R$ 16 mil", conta.

Em nota, a Companhia informa que até esta quinta-feira (14) uma equipe técnica realizará vistoria na residência. "Após resultado da vistoria, o cliente será orientado sobre os procedimentos para regularização da situação", comunicou a Cagece.

Até o fim desta manhã, nenhum técnico compareceu à residência de Karinini, segundo denuncia a própria professora.

G1 - CE


Tecnologia do Blogger.