Header Ads

Governo e Prefeitura endurecem medidas contra Covid-19


O governador Camilo Santana (PT) e o prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT), anunciaram ontem um pacote de medidas contra a Covid-19 que permite a circulação de pessoas apenas para finalidades "imprescindíveis", veta o fluxo de veículos na cidade, exceto para deslocamentos "devidamente justificados", e fixa barreiras de controle nas divisas da Capital.

Mais duro do que os anteriores, o novo protocolo sanitário de enfrentamento à pandemia tem validade até o dia 20/5, juntamente com o decreto estadual publicado em 19/3 que instituiu o isolamento social no Ceará e suspendeu atividades comerciais. É a quarta vez que o Governo prorroga a medida, agora com tópicos mais rígidos.

Apenas no Estado, o novo coronavírus já infectou mais de 11 mil pessoas e matou 795. A previsão é de que a rede pública de leitos de UTI atinja a capacidade máxima até a semana que vem. Desde o início da crise, o Governo abriu quase 500 unidades especiais para pacientes com a enfermidade.

Entre as mudanças desse conjunto de ações elaboradas por Estado e Município, está o confinamento compulsório de infectados ou suspeitos e o uso obrigatório de máscaras de proteção em todo o território cearense a partir de hoje. As demais providências, restritas a Fortaleza, têm validade de sexta-feira, 8, até o dia 20/5.

Uma delas é a fixação de esquemas de segurança nas divisas de Fortaleza, hoje o maior foco da doença em todo o Ceará, concentrando 8.509 casos de Covid-19 e 608 óbitos. A intenção é liberar apenas serviços essenciais nesse trânsito intermunicipal.

Outra determinação incluída nessa leva de precauções é a que proíbe a formação de aglomerações em logradouros públicos. Segundo texto do decreto, "fica vedada a circulação de pessoas em locais ou espaços públicos, tais como praias, praças, calçadões, salvo quando em deslocamentos imprescindíveis para acessar as atividades essenciais".

O documento estabelece ainda "controle de veículos particulares em vias públicas, salvo deslocamentos devidamente justificados, bem como veículos de serviços essenciais em funcionamento e deslocamento relacionados às atividades de segurança e saúde, transporte de cargas, serviços de transporte por táxi, mototáxi ou veículos disponibilizados por aplicativo".

Durante o pronunciamento ontem, o chefe do Executivo estadual admitiu que, "mesmo com todo os esforços, nosso sistema de saúde tem chegado ao limite" e que há "uma necessidade, recomendada pelos especialistas, de tomarmos medidas mais rígidas neste momento".

As ações apresentadas por Governo e Prefeitura equivalem às adotadas pelo estado do Maranhão, onde foi decretado o "lockdown", modelo no qual também há controle rígido dos limites, restrição de circulação e redução dos serviços ao mínimo essencial.

Nessa terça, no entanto, Camilo e RC evitaram falar em "lockdown". Editado no mesmo dia nos Diários Oficiais do Estado (DOE) e do Município (DOM), o decreto utiliza a expressão "isolamento social rígido" para se referir às respostas apresentadas ontem.

À semelhança do Maranhão, no Ceará estabelecimentos essenciais terão de se adequar às alterações do decreto, que impõe uso de máscaras para todos, com possibilidade de barrar quem tente ingressar nesses espaços sem o equipamento.
O documento editado reduz ainda a entrada nos supermercados e farmácias a apenas um membro de cada família, com distanciamento de segurança mínimo de um metro e meio caso haja fila de espera.


O POVO

Tecnologia do Blogger.