Header Ads

'E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Sou Messias, mas não faço milagre', diz Bolsonaro sobre mortes


O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira, 29, que lamenta, mas não tem o que fazer em relação ao novo recorde de mortes registradas em 24 horas, com 474 óbitos, ultrapassando a China no número total de óbitos pelo novo coronavírus.

"E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre", disse Bolsonaro, em referência ao próprio sobrenome.

Durante a entrevista em frente ao Palácio da Alvorada, uma jornalista disse ao presidente: "A gente ultrapassou o número de mortos da China por Covid-19..." Foi quando Bolsonaro respondeu que não poderia fazer nada.

Ao saber que a entrevista estava sendo transmitida ao vivo por canais de televisão, o presidente disse se solidarizar com as famílias das vítimas. "Mas é a vida. Amanhã vou eu".

Nesta terça-feira, segundo boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, o número de mortes confirmadas por Covid-19 ultrapassou a marca dos 5 mil, chegando a 5.017. Na China, são 4.643.

O Brasil alcançou o terceiro lugar entre os países que mais registraram mortes ontem pela Covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos e do Reino Unido. Na segunda-feira, o Brasil estava em 6º entre os países com mais mortes registradas em 24 horas, mas já superou Itália, França e Espanha no balanço mais recente.

Questionado se conversaria com o ministro da Saúde, Nelson Teich sobre a flexibilização do distanciamento social, Bolsonaro afirmou que não dá parecer e não obriga ministro a fazer nada.

Já Nelson Teich, em coletiva na noite de ontem, admitiu o agravamento da crise do novo coronavírus, com a escalada de casos e mortes da Covid-19 em diversas regiões do Brasil. O ministro silenciou sobre campanha permanente de Bolsonaro para acabar com medidas de isolamento social.

"Há alguns dias eu coloquei que (o número de mortos e contaminações) poderia ser um acúmulo de casos de dias anteriores que foi simplesmente resgatado, mas como temos manutenção desses números elevados e crescentes, temos que abordar isso como um problema, como uma curva que vem crescendo, como um agravamento da situação", disse Teich.

Em uma declaração de apenas 16 minutos à imprensa, respondendo somente a quatro perguntas previamente selecionadas, o ministro citou as cidades de Manaus, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo como os locais que mais preocupam. Ele repetiu que o Brasil tem diferentes quadros da doença, que merecem tratamentos específicos.

Ao mesmo tempo em que Teich falava por videoconferência no Ministério da Saúde, em uma coletiva anunciada às pressas, nem meia hora antes de ocorrer, o presidente Jair Bolsonaro repetia a apoiadores, em frente ao Palácio da Alvorada, que deseja o fim das quarentenas no Brasil. Ele disse que tem conversado com associações da indústria sobre o tema, mas afirmou que quem decide sobre assuntos de saúde é o ministro.

Teich reconheceu que a "situação é difícil" e afirmou que o governo federal trabalha para "dar suporte aos estados e municípios".

O general Eduardo Pazuello, que será nomeado secretário-executivo do Ministério da Saúde, afirmou que o País deve priorizar envio de respiradores, leitos e equipamentos de proteção a locais mais atingidos pelo vírus. "Mudou a prioridade", disse ele, sem explicar o que efetivamente foi alterado, dado que o ministério já vinha concentrando esforços, logicamente, nas regiões que mais precisam de apoio de pessoal, equipamentos e suprimentos.

Mais cedo, Teich foi cobrado por governadores do Norte sobre atrasos para entrega de produtos contra a Covid-19. Pazuello disse que 185 respiradores serão enviados na quarta-feira, 29, a Estados que atravessam um cenário mais difícil neste momento.


O POVO

Tecnologia do Blogger.