Brasileiros em navio rejeitado por 4 países temem não conseguir voltar para casa


Brasileiros a bordo do navio Norwegian Jewel ainda aguardam uma definição sobre como conseguirão voltar para casa. Após partir da Austrália no fim de fevereiro, a embarcação foi recusada em quatro países no Pacífico Sul por causa das medidas de contenção à pandemia do novo coronavírus (veja mais abaixo o percurso do cruzeiro).

A empresa responsável pelo cruzeiro definiu que a viagem seguirá para o Havaí, arquipélago pertencente aos Estados Unidos — o problema é que nem todos têm visto norte-americano, o que dificultaria a volta ao Brasil.

Ao G1, a passageira cearense Marta Soares assegurou que todos no Norwegian Jewel estão bem. "Não tem ninguém doente, e a companhia está dando o mesmo tratamento do cruzeiro: temos refeições, lazer e shows. Tudo o que um cruzeiro normal oferece", disse.

O caso de Marta é peculiar: ela tem o visto norte-americano, mas o documento está em outro passaporte que ela não levou para a viagem.

As autoridades dos EUA permitem que dois passaportes sejam mostrados na entrada no país: o mais recente, válido, e outro antigo com o visto no prazo de validade, caso ele tenha sido emitido antes da obtenção da nova documentação brasileira.

Além disso, nenhum passageiro havia comprado passagens aéreas para o cruzeiro por Honolulu. Afinal, o Havaí nunca fez parte do itinerário inicialmente previsto para o Norwegian Jewel.

O médico brasileiro Nelson Mesquita, que está no navio, estima que haja 50 brasileiros na embarcação. A empresa responsável não confirmou o número exato. 

G1 entrou em contato com o Ministério de Relações Exteriores para saber se há previsão de alguma medida para resgatar os brasileiros que chegarão ao Havaí. Até a última atualização desta reportagem, o Itamaraty não havia respondido ao pedido de informação.

Entenda o percurso
A viagem começou em 28 de fevereiro, em Sydney e terminaria nesta sexta-feira em Papeete, no Taiti — território que pertence à França. Por causa do novo coronavírus, a empresa Norwegian Cruise Line (NCL), responsável pelo cruzeiro, interrompeu o percurso e solicitou o desembarque em Auckland, na Nova Zelândia.

Entretanto, a entrada do navio foi recusada tanto pelas autoridades francesas quanto pelas neozelandesas. A embarcação também não pode retornar à Austrália e foi impedida de chegar a Fiji, um arquipélago da Oceania. Todos os países adotaram restrições devido à pandemia de Covid-19.

A NCL, então, definiu que o navio deveria passar em Pago Pago, na Samoa Americana, apenas para reabastecimento nesta terça-feira (17). De lá, o navio segue viagem para Honolulu, no Havaí. 

O médico Nelson Mesquita, do Rio de Janeiro, conta que o navio navegou "sem rumo pelo Pacífico Sul". "Não tivemos por parte do capitão nenhuma evidência de uma solução imediata para isso", relatou.
G1 Ceará


Tecnologia do Blogger.