Header Ads

Mulheres de presos denunciam cobrança para acesso mais rápido ao “pernoite do amor”


Ao todo, 14 mil detentos de 13 penitenciárias tiveram direito ao benefício do Dia do Presidiário, mas a ordem na fila não foi respeitada

Segundo a Secretaria de Justiça e Cidadania, a Lei de Execução Penal determina que os internos do sistema penitenciário tenham direito à convivência familiar. No Ceará, o “pernoite do amor” foi instituída há 16 anos e o benefício é concedido três vezes ao ano: No dia do Presidiário, no Natal e no Dia das Mães.
Em 2018, a Justiça autorizou a noite de sexo nas celas em 13 grandes unidades prisionais na Região Metropolitana de Fortaleza, Juazeiro do Norte e Sobral. No entanto, mulheres denunciam que chegam a pagar R$ 150 por uma senha para ter acesso mais rápido, informou o programa Barra Pesada, da TV Jangadeiro/SBT.
Cerca de 14 mil detentos, somando as 13 grandes unidades prisionais, tiveram direito ao benefício. No Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira e nos outros dois complexos penitenciários também localizados na Região Metropolitana, a cena era a mesma: várias mulheres nas filas aguardavam para entrar nas unidades.
A entrada das mulheres nas unidades foi permitida a partir das 8 horas da manhã do sábado (22), com fim às 15 horas da tarde deste domingo (23). Ao término, no Complexo Penitenciário Estadual Itaitinga, algumas delas conversaram com a equipe do programa Barra Pesada, mas preferiram não se identificar. Uma, inclusive, denuncia a venda de senhas para ter acesso mais rápido à CPPL 4.

“Se eu não pagar, não entro cedo. Tem gente que chega na quinta-feira, e dorme aqui fora pra entrar mais cedo no sábado pela manhã. Entrei umas 8h30. Mas pra entrar esse horário tem que pagar. É pro pessoal que organiza as filas. Faz três anos que meu marido está aqui e desde a primeira vez que vim visitar ele que compro senha. E visita normal, é R$ 70 o pernoite, pra entrar na terceira batida, é R$ 150. O pagamento é feito na fila. É uma mulher conhecida por todos”, revelou.
De acordo com a Sejus, cada interno que teve esposa ou namorada cadastrada pode dormir com a companheira dentro da cela. O único requisito é que o preso não estivesse cumprindo sanção disciplinar. A medida também vale para o presídio feminino, onde as mulheres puderam passar a noite com companheiros.
Em nota, a Sejus informou que, aos fins de semana, a entrada dos visitantes no complexo penitenciário ocorre duas horas antes do início das visitas, momento em que cada unidade inicia a distribuição das senhas para as familiares cadastradas. “A entrada ocorre exclusivamente das 8h às 12h. A organização da fila até a distribuição das senhas deve ser responsabilidade das próprias visitantes”.


Fonte: Tribuna do Ceará
Tecnologia do Blogger.