Header Ads

Metade da população entre 13 e 15 anos sofre agressões na escola, diz informe.

Relatório da UNICEF revela ainda que cerca de 720 milhões de crianças em idade escolar vivem em países onde não estão totalmente protegidas por lei do castigo corporal na escola.


            Embora pareça que os golpes nas mãos com a régua que o professor dava são coisa de outro tempo, cerca de 720 milhões de crianças em idade escolar vivem em países onde não estão totalmente protegidas por lei do castigo corporal na escola. Mesmo na Europa, as leis que o proíbem são relativamente recentes. Esta é apenas uma das violências sofridas por milhões de adolescentes em todo o mundo e que apresenta o último relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), intitulado Una Lección Diaria: #STOPViolenciaInfantil en las escuelas, publicado como parte de sua campanha mundial #ENDviolence Against Children. O documento se baseia em dados coletados de diferentes estudos e pesquisas entre 2003 e 2017.
              “A educação é fundamental para a construção de sociedades pacíficas e, no entanto, para milhões de crianças em todo o mundo a escola não é um lugar seguro”, lamenta Henrietta H. Fore, diretora-executiva do Unicef. “Todos os dias, muitos estudantes, seja pessoalmente ou através da Internet, enfrentam uma série de perigos como brigas, pressão para que façam parte de gangues ou intimidação a formas violentas de disciplina, assédio sexual ou violência armada. Essas situações afetam a aprendizagem no curto prazo e no longo prazo podem provocar depressão, ansiedade e até levá-los ao suicídio. A violência é uma lição inesquecível que nenhuma criança deveria aprender.”
            Por seu lado, Javier Martos, diretor geral do Unicef Espanha, afirma que este é, na verdade, um assunto bastante novo, do qual há poucos dados comparativos. “Até recentemente se pensava que o abuso infantil era algo da esfera privada. A escola deve ser um lugar seguro para as crianças, onde aprendam e se desenvolvam. Sofrer violência é inadmissível.” No caso da Espanha, aponta que uma lei abrangente para a erradicação da violência contra crianças e o monitoramento constante das denúncias de assédio já são necessárias. “Na Espanha, temos agora uma grande oportunidade de oferecer aos menores a proteção necessária contra situações que nunca deveriam viver.”
De acordo com o estudo, metade das crianças entre 13 e 15 anos sofreu algum tipo de violência na escola ou em seus arredores, cerca de 150 milhões em todo o mundo. Estas são as diferentes formas e etapas de abuso que podem sofrer.

No caminho da escola

Para muitas crianças em todo o mundo o primeiro perigo vem muito antes de pisarem na sala de aula. Nqobile é uma jovem sul-africana que foi agredida sexualmente no caminho da escola quando tinha 13 anos. Ela conseguiu exteriorizar isso com 18 anos, quando o diretor de sua escola a incentivou a contar para evitar que isso volte a acontecer. O relatório do Unicef traz suas palavras: “Estou me abrindo para as pessoas sobre isso pela primeira vez. Não quero que nenhuma outra garota passe pelo que passei na escola”. Quando o caminho não é seguro, os pais optam por deixar as meninas em casa, o que faz com que as taxas de escolarização femininas caiam muito cedo e assim ficam relegadas a serem mães e esposas.

Seus próprios colegas

De acordo com o relatório, um em cada três adolescentes sofreu algum tipo de bullying, e a mesma proporção diz ter se envolvido em brigas. “Os pais precisam entender que isso não é uma coisa de criança e não pertence à esfera privada, mas é uma questão pública”, diz Martos. O estudo mostra que, enquanto as meninas têm maior probabilidade de sofrer assédio moral, os meninos chegam à violência física. Em 39 países industrializados, 17 milhões de adolescentes admitem ter intimidado algum colega na escola. “A orientação sexual ou a identidade de gênero também pode levar a uma maior vulnerabilidade à violência nas escolas. As crianças que se identificam como lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros ou intersexuais podem ser especialmente vulneráveis à violência por seus colegas”, explica o estudo. Na Espanha, sem dados desde 2014, quase 17% dos jovens disseram ter sido assediados e 30% afirmaram que se envolveram em uma briga. A Espanha é o terceiro – entre os 37 países da Europa, EUA e Canadá – com o menor índice de violência nas escolas entre os estudantes de 13 a 15 anos.

O que os professores podem fazer?

Metade das crianças em idade escolar em todo o mundo vive em países onde o castigo corporal em sala de aula é permitido. Como amostra, o relatório apresenta dados de Andhra Pradesh e Telangana, dois Estados da Índia, onde 78% dos estudantes de 8 anos e 34% dos jovens de 15 anos disseram ter apanhado de seus professores ao menos uma vez na semana anterior à pesquisa. “Falta formação aos professores e uma mudança geral da cultura quando se trata de entender as brigas entre alunos”, diz Martos.

O assédio continua nas redes

“Quando Angeline, de Kuala Lumpur, tinha 14 anos, um mal-entendido sobre um trabalho escolar fez com que entrasse em conflito com uma amiga. Em questão de semanas, todos os colegas a ignoravam e até se recusavam a sentar-se com ela.” Sua história é um dos milhares de exemplos de assédio online que os jovens sofrem diariamente. “Você nunca pode retirar algo que disse ou publicou na rede, está sempre lá, e com essa experiência eu percebi o quanto uma palavra pode te afetar”, diz a estudante que hoje tem 18 anos. cyberbullying é um fenômeno relativamente recente que teve uma explosão com o uso maciço das redes pelos adolescentes. “Ainda me lembro de quando há alguns anos se recomendava aos pais que tinham computador na sala para verificar, mas com os celulares e os tablets tudo isso ficou quase obsoleto, é muito difícil de controlar”, diz Martos.

Quando isso acaba?

Para muitos, o problema não termina quando se fecham os livros. O relatório do Unicef recupera um estudo realizado em 2010 nos Estados Unidos que concluiu que os adultos que sofreram abuso físico ou sexual quando crianças tiveram problemas na hora de conseguir emprego. “No mundo, o custo de toda a violência infantil é de sete trilhões de dólares. Uma estimativa feita em 2004 no leste da Ásia e no Pacífico indicou que na região esse custo totaliza 150 bilhões de dólares, cerca de 2% do produto interno bruto (PIB) dessa área”.
Fonte: El País.
Tecnologia do Blogger.