Header Ads

Ocupação que pede libertação de Lula chega ao 6° dia


Os manifestantes querem a libertação do ex-presidente para a disputa pela Presidência da República em outubro. Os acampados discutem próximos passos do movimento
Barracas, redes, músicas, debates e reuniões. O acampamento “Lula Livre”, na praça da sede do prédio da Justiça Federal no Ceará, no Centro de Fortaleza, completa hoje o sexto dia. Desde quarta-feira, 11, da semana passada, um grupo se instalou para pedir a libertação do ex-presidente, preso no último dia 7 em Curitiba por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.


O POVO visitou as instalações na tarde de ontem. Uma reunião de avaliação da ocupação estava sendo feita no momento da chegada.


Do lado oposto da definição dos próximos passos do movimento, um palco com músico entretinha os integrantes do protesto.


Conforme os organizadores, a adesão à mobilização “pacífica”, começou com 500 pessoas e já chega a 1.500. Liderados pelas Frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular, os acampados têm sobrevivido a partir das doações da sociedade civil. São alimentos, colchões, água, convites para usar os banheiros e estacionamentos.
“Está tendo uma grande participação da população de Fortaleza. A gente tem recebido água, colchonete, alimentação... Todo dia chega muita contribuição. A população de Fortaleza sabe que é um ato importante”, conta Manoel Bezerra, 36, um dos organizadores do acampamento.


Em Curitiba, o juiz substituto da 3ª Vara da Fazenda Pública, Jailton Juan Tontini, proibiu os manifestantes a favor e contra a prisão do ex-presidente Lula de ocuparem as redondezas da superintendência da Polícia Federal, local onde o petista está preso. A determinação judicial prevê o pagamento de multa no valor de R$ 500 mil por dia em caso de desrespeito à ordem de desocupação.


A organização no Ceará diz que não teme decisão semelhante à que ocorreu na ocupação do Paraná, já que em Fortaleza não há alteração na ordem pública, como fechamento de vias ou impedimento do sossego dos moradores do entorno.


“Não estamos atrapalhando quem está na Justiça Federal, nem atrapalhando a população no entorno. O trânsito está aberto. Todos os dias pela manhã a gente faz um debate sobre a mídia, o Judiciário, e, por essa razão, não vejo motivo nenhum para juiz se posicionar pela retirada dos manifestantes. É uma luta pacífica”, diz Manoel Bezerra, que também é um dos acampados.


Instalado na ocupação desde o primeiro dia, o estudante de Direito Samuel Oliveira, 20, diz que a liderança do ex-presidente na pesquisa Datafolha significa que “Lula está sendo condenado não pelos erros, mas pelos acertos, pelo medo que a classe dominante tem de ele estar solto, que ele seja eleito pelo que ele representa, que é um projeto de nação alternativo ao que a burguesia apresenta”.


O universitário não crê que o julgamento da ação movida pelo PEN, no Supremo Tribunal Federal, que questiona as prisões em segunda instância, possa contribuir para a libertação do petista, que deve cumprir pena de 12 anos e um mês. A libertação de Lula poderá vir pela mobilização das ruas, e não apenas pela vontade da Justiça brasileira, diz.


“O julgamento em si, enquanto no STF, não tenho ilusão que possa ser favorável ao ex-presidente. O que pode dar um tom diferente é a mobilização de rua. ‘Os caras’ lá do STF têm lado e não é o do povo. O que pode alterar a correlação de forças é a mobilização em todo o Brasil”, sustenta Samuel.
Fonte: O Povo

Tecnologia do Blogger.