Header Ads

Executiva do PT se reúne nesta segunda para reafirmar candidatura de Lula


A Executiva Nacional do PT marcou para a tarde desta segunda-feira, 9, em Curitiba, uma reunião extraordinária em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A reunião terá participação dos movimentos sociais e vai definir ações políticas e jurídicas em apoio a Lula.
Apesar de preso desde o último sábado, 7, e em tese inelegível, a candidatura de Lula não deverá ser reavaliada no encontro, mas sim reafirmada. A reunião foi marcada após o ex-presidente se entregar à Polícia Federal, no final da noite de sábado, para começar a cumprir sua pena de 12 anos e um mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex, da Operação Lava Jato. Apesar de setores do partido desejarem o debate, a viabilidade da candidatura de Lula não é algo a ser discutido, segundo interlocutores do PT.
O partido, por decisão da Executiva Nacional, manterá a ideia de registrar a candidatura de Lula ao Planalto em 15 de agosto, mesmo que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) venha a julgar o ex-presidente inelegível por ter sido condenado em segunda instância. “Essa é a razão da prisão: ele ser um forte candidato. Sem dúvida nenhuma, nós reafirmaremos a defesa dele”, disse o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), membro da Executiva Nacional.
Antes de Lula se entregar à Polícia Federal, o ex-ministro Alexandre Padilha, um dos vice-presidentes do partido, disse à BBC que o ex-presidente será registrado. “Não será o PT que vai retirar Lula das eleições”, afirmou.
Caravanas e STF
Outro tema na pauta do PT é a elaboração de uma agenda de mobilização pelo Brasil, inclusive com a possibilidade de convocação de caravanas como as lideradas pelo ex-presidente desde o ano passado. “Queremos a mais ampla que se possa fazer no Brasil pela democracia, pela liberdade do Lula”, disse Teixeira.
O encontro servirá também para transferir, simbolicamente, a sede do partido de São Paulo para Curitiba, como forma de tornar a cidade o centro da atuação política em defesa de Lula enquanto ele estiver detido. Desde a noite de sábado, apoiadores de Lula estão reunidos em uma rua a pouco mais de 100 metros do prédio onde o ex-presidente está preso, a sede da PF em Curitiba – a Polícia Militar isolou o edifício devido a uma ordem judicial.
Na noite de domingo, 8, o grupo já somava entre 700 e 1.000 pessoas, segundo estimativas informais feitas por policiais militares que faziam patrulhamento na região. Não há um balanço oficial da PM. Segundo o secretário nacional de movimentos populares do PT, Ivan Alex Lima, a “vigília cívica pela soltura de Lula” só termina quando o ex-presidente deixar a prisão. “Até ele sair”, afirmou.
Na frente jurídica, o debate deverá ser em torno da discussão, no Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a prisão após condenação em segunda instância como tese, e não apenas a respeito de um caso específico, como foi o julgamento do habeas corpus do ex-presidente na semana passada. Na quarta-feira, 11, o ministro do STF, Marco Aurélio Mello, deverá colocar o tema em discussão.
“Na minha opinião, o tema no STF interessa à maioria da sociedade. Então, acho que o PT deve fazer um movimento com todo mundo em torno dessa questão”, avalia Teixeira. “Nós achamos que a prisão tem que ser revertida rapidamente. Temos a esperança que o Supremo, não só em nome do Lula, mas em respeito à Constituição, possa fazer essa reversão”, completou.
Com informações do Uol Notícias

Tecnologia do Blogger.