Header Ads

JN STUDIO

Crime organizado no Estado é resultado de uma Polícia Civil desestruturada, diz Sinpol/CE

Para o Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Estado do Ceará (Sinpol, os últimos acontecimentos registrados em Forttaleza – ameaças e ataques a ônibus, nada mais são do que um reflexo da falência da Polícia Civil. Quem diz é a vice-presidente do Sinpol, Ana Paula Lima.
Ela afirma que a Polícia Civil sofre “um sucateamento” devido a políticas governamentais nos últimos 25 anos que deixaram a categoria com o pior salário do Nordeste e um dos três piores do país.
“O crime organizado no Estado é resultado de uma Polícia Civil desmotivada e desestruturada. Diariamente sofremos duros golpes. Escrivães e inspetores, que investigam e combatem o crime organizado, estão esquecidos”, avalia Ana Paula, que destaca: “O crime organizado encontra aqui um terreno fértil”.
Para a vice-presidente do Sinpol, a situação na qual os policiais civis se encontram possibilitou “a entrada das facções criminosas no Estado, tendo elas se aproximado por meio de núcleos compostos por bandidos como o irmão do Marcola (Marcos Willians Herbas Camacho, mais conhecido como Marcola, criminoso considerado líder da organização criminosa Primeiro Comando da Capital), preso aqui”, diz.
Segundo Ana, esses criminosos foram se unindo e estruturando o crime organizado no Ceará e se aproximando de grupos como o Comando Vermelho e o próprio PCC. “Os presos estão divididos por facções nos presídios, para evitar confrontos. E sem uma Polícia Civil forte, valorizada, dificilmente serão alcançados resultados concretos”, diz a vice do Sinpol/CE.
Ana Paula afirma que, apesar desse quadro, o Sinpol mantém as esperanças de reconhecimento por parte do Governo do Estado.

Fonte: Blog do Eliomar 
Tecnologia do Blogger.