Header Ads

Fortaleza tem 2ª maior taxa de mortes no trânsito entre capitais, diz estudo

Em 2014, Ceará teve 27 óbitos no trânsito por 100 mil habitantes.
Ceará teve outras duas cidades na lista das violentas no trânsito.

Fortaleza é a capital com o segundo maior número de mortes no trânsito por habitantes, com 27 óbitos para 100 mil habitantes, ficando atrás apenas do Recife (34,7), de acordo o relatório "Retrato da Segurança Viária no Brasil", divulgado nesta quarta-feira (4) pela Ambev com a consultoria Falconi.

Ainda de acordo com o estudo, das cinco cidades com maiores índices de morte no trânsito, duas são do Ceará: Barbalha (194 mortes por 100 mil habitantes) e Sobral (108,73).
Os dados são relativos ao ano de 2014 e levam em consideração estatísticas da Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP), Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e Organização Mundial da Saúde (OMS).
Em 2014, de acordo com o relatório, 44.471 brasileiros perderam as vidas em acidentes viários e o número absoluto de feridos cresceu 5,9% em relação a 2013, chegando a mais de 203 mil. No mesmo período, os feridos por 100 mil habitantes aumentaram 5%. De 2003 a 2014, mais de 477 mil brasileiros morreram nas ruas, avenidas e estradas e mais de 1,7 milhão ficaram feridos.

O estudo mostra ainda que, nos 12 anos analisados, os acidentes com motos passaram a ser a principal causa de morte no trânsito, subindo de 19% para 37% do total de vítimas fatais. Enquanto isso, o número de feridos entre motociclistas quase quadruplicou: de 31.073 para 119.846.
Em 2003, os acidentes fatais com pedestres eram a maioria, representando 43% do total. Os carros de passeio apareciam na sequência, 29%. De acordo com os dados mais recentes, 24% dos acidentes que levam a óbito são com pessoas a pé e 32% com carros.
Mortes de motociclistas
A análise por região também revela que no Nordeste e Norte, os usuários de moto representam o grupo predominante entre as vítimas. No Nordeste, foram 6.849 vítimas fatais de acidentes com moto (51% do total), mais que o dobro das 3.223 vítimas de acidentes com carro (24%).
Em 2003, as motos representavam 25% das mortes no trânsito na região Nordeste. Desde então, a frota de motos nos estados nordestinos saltou de 1,2 milhão para 6,2 milhões, um aumento de 414%. O usuário de automóvel lidera o ranking de óbitos nas regiões Sudeste (34% do total de acidentes), Sul (39%) e Centro-Oeste (37%).

Fonte: G1-CE
Tecnologia do Blogger.