Header Ads

JN STUDIO

Após cinco meses de greve, aulas da Uece voltam na próxima semana

Governo se comprometeu a investir R$ 22 milhões nas universidades estaduais. Camilo Santana assinou nomeação de 84 docentes da Uece. Aulas recomeçam a partir da próxima quarta-feira
Professores e estudantes voltarão às salas de aula na próxima quarta-feira, 26, na Universidade Estadual do Ceará (Uece). Mais de cinco meses após o início da greve dos professores estaduais de ensino superior, alunos terão férias mais curtas e aulas aos sábados para ajustar calendário letivo. Suspensão da greve foi definida em assembleia ontem.

A última oferta do governador Camilo Santana (PT) foi de investimento de R$ 22 milhões para as três universidades estaduais: Uece, Universidade Vale do Acaraú (UVA) e Universidade Regional do Cariri (Urca). Assembleia na próxima terça-feira, 25, deve avaliar fim da paralisação na UVA. A Urca não parou.

O dinheiro será aplicado no reajuste do salário de professores substitutos e obras de infraestrutura. O acordo entre categoria e governo inclui concurso para docentes e nomeação de 84 professores efetivos para a Uece. Nomeação foi assinada, na noite de ontem, pelo governador e deve ser publicada no Diário Oficial da terça-feira, 25. “A determinação é para que todos os esforços sejam feitos para garantir a continuidade das atividades docentes e oferecer um corpo ainda mais qualificado de professores”, escreveu o governador no Facebook.

“São compromissos fundamentais para que a categoria não retorne à greve”, ressaltou Célio Coutinho, presidente do Sindicato dos Docentes da Uece (Sinduece).

As aulas que serão iniciadas quarta-feira, 26, eram previstas para o primeiro semestre deste ano. O calendário prevê aulas até 25 de janeiro de 2017, com recesso de uma semana em dezembro. As aulas planejadas para o segundo semestre deste ano começarão em 15 de fevereiro de 2017. “Queremos iniciar imediatamente a reposição, mas queremos manter a qualidade. Não queremos um calendário aligeirado”, ressaltou o presidente do Sinduece.

Cinco meses
Durante a assembleia que pôs fim à paralisação, estudantes e professores criticaram a demora do governo em apresentar proposta que atendesse à categoria. “Ficamos sem ter para onde ir. Todo ano é isso e vêm mais promessas, mas a precarização continua”, criticou o estudante de Ciências Sociais Rodrigo Holanda.

O secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Inácio Arruda, destacou esforço do Estado. “Mesmo em momento de grandes dificuldades, depois de cinco anos de seca, crise econômica, conseguimos vitória muito importante para nossas universidades”.

Fonte: O Povo 
Tecnologia do Blogger.