Header Ads

JN STUDIO

Período seco até janeiro de 2017 deve agravar ainda mais a estiagem no Ceará

Com o fim da quadra chuvosa no mês de junho, ficou constatado mais um ano de estiagem no Ceará. Como o período seco se estende até janeiro de 2017, as atenções se voltam para o abastecimento do Estado, e a situação dos reservatórios.
De acordo com o meteorologista da Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme), Davi Ferran, poucas chuvas atingiram regiões onde os principais reservatórios se encontram. O pior cenário foi na Região do Cariri, que tem média de 622 milímetros, mas choveu apenas 176 milímetros esse ano. Na outra ponta, a região que apresentou a maior quantidade de chuvas foi os Inhamuns, com 510 milímetros, acima da média registrada, que é de 503 milímetros.
A situação não é favorável para os próximos meses, já que poucas precipitações são registradas no período seco.
“Nesse ano de 2016, até o momento, a chuva está 30% abaixo da média histórica. Esse seria o quinto ano com chuvas significativamente abaixo da média. Essa sequência de anos com chuva abaixo da média histórica faz com que não haja recarga suficiente nos reservatórios do Estado. Nós estamos na estação seca, terá muito pouca chuva. Se acontecer, serão chuvas que não terão significância do ponto de vista dos reservatórios de água”, afirma Davi Ferran.
Recursos hídricos
A soma da capacidade de todos os 153 açudes monitorados pela Companhia de Recursos Hídricos (Cogerh) está em 11%, o que acendeu o sinal de atenção. De acordo com o secretário estadual dos Recursos Hídricos, Francisco Teixeira, a instalação de adutoras e a perfuração de poços continuam como alternativas para garantir água à população. A expectativa do secretário é de que, até o final do ano, 1300 poços tenham sido perfurados no Estado.
“As ações estão sendo tomadas, umas em caráter estruturante, outras emergenciais e outros que têm até um caráter emergencial, mas que ficam como estruturante. A gente tem tido o cuidado de aproveitar as ações emergenciais e já implementar ações estruturantes”, ressalta o secretário.
O baixo nível dos reservatórios também afeta a economia do Ceará. No Castanhão, por exemplo, onde os produtores utilizam a água do açude para a criação de tilápias, as perdas já chegam a 1500 toneladas somente este ano. De acordo com o prefeito de Jaguaribara, Francini Guedes, as dívidas dos produtores se multiplicam diariamente.
“Temos que ter a preocupação lá em função dessa baixa muito grande do Castanhão. Jaguaribara teve um problema sério que foi na piscicultura. Ano passado morreram 3 milhões de quilos de peixe. Esse ano, já foram 1,5 milhão”, pontua o prefeito.
Funceme
A Funceme prevê que, em 2017, o Ceará não tenha muita influência do fenômeno el niño, o que possibilita uma maior quantidade de chuvas.
Para o mês de agosto, o Governo do Estado vai priorizar medidas para garantir o abastecimento das cidades de Apuiarés, Araripe, Boa Viagem, Catunda, Deputado Irapuan Pinheiro, Iracema, Mulungu, Pedra Branca, Pereiro e Tamboril.

Fonte: Tribuna do Ceará
Tecnologia do Blogger.